INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Saúde e Bem Estar

Como combater a pandemia chamada obesidade

Segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS) a obesidade ou pessoas acima do peso, é uma pandemia que atinge uma população superior a dois bilhões. A obesidade tem até um dia oficial, 4 de março. 

Esta doença pode agravar os casos de Covid-19, alem de ser também um fator de risco em casos de diabetes do tipo 2, hipertensão, cancêr, derrame e casos de complicações cardiovasculares. 

Mais da metade da população brasileira sofre com o peso acima do ideal. Nos últimos anos, a obesidade apresentou mais incidência na população com idade de 20 anos ou mais. Esta informação é o resultado de uma Pesquisa Nacional de Saúde, realizada entre os anos de 2013 e  2019, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O percentual de obesidade em adultos a partir dos 20 anos deu um salto de 12,2% para 26,8.

O endocrinologista  Bruno Geloneze, principal investigador do Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidade da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), diz que os números são alarmantes e que a obesidade é a doença crônica que mais cresce no mundo inteiro. 

Para combater a obesidade, é preciso primeiramente, deixar de tratá-la como escolha pessoal e sim como doença. A partir desse momento basta criar medidas e estratégias para combatê-la.  

O grande desafio pode ser a estratégia na promoção das mudanças de hábitos, uma vez que, devido a alimentação inadequada, mais pessoas passam fome, adoecem e morrem. Pessoas com insegurança alimentar acabam sofrendo com sobrepeso ou outra doença crônica associada a dietas.


O desafio da balança. Reprodução/Divulgação: saude.abril.com.br


É preciso que haja concenso das autoridades para que as estratégias nas mudanças de hábitos alimentares funcionem. Produtos considerados naturais e saudáveis se tornam cada vez menos acessíveis a maioria da população por causa dos preços. Já os alimentos ultraprocessados são mais baratos e se tornam a principal opção da população. 

O professor Valter Palmieri da UNICAMP, realizou uma investigação que comprova um aumento inflacionário das frutas em relação aos açúcares e derivados de 114% entre junho de 2006 e março de 2021. O preço alto somado ao desemprego, deixa evidente a relação entre a fome e a obesidade. 

Foto destaque: Obesidade. Reprodução/Divulgação: santapaula.com.br

 

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...