INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Saúde e Bem Estar

Neurologista explica que existem outros tipos de demência além do Alzheimer

Segundo dados da Biblioteca Virtual de Saúde do Ministério da Saúde, mais de 1 milhão de pessoas convivem com algum tipo demência no Brasil e, dentre elas, existem as mais conhecidas como o Alzheimer e o Parkinson. Contudo, segundo o médico neurologista do Hospital Albert Sabin de São Paulo, Custodio Michailowsky Ribeiro, há outras doenças que podem afetar essa região do corpo humano.


Montagem de como o cérebro fica com o avanço do mal de Alzheimer/ (Foto Reprodução: Doutor Cérebro- Neurologia)


As doenças degenerativas mais comuns além das citadas são:

  • Degeneração Frontotemporal: Ela afeta um dos hemisférios cerebrais e o mais comum é o lado esquerdo. Acomete mais as mulheres com idades acima de 50 anos. É caracterizada por mudanças perceptíveis de comportamento, como agressividade, surtos psicóticos, dificuldade na hora de realizar tarefas do cotidiano entre outras. Para o tratamento é recomendada uma visita ao médico geriatra, psicólogo ou psiquiatra e os remédios indicados que podem controlar os sintomas são os neurolépticos e antidepressivos;
  • Demência dos Corpos de Lewy: Acontece quando existem muitas proteínas chamadas de “Lewy” na região do córtex cerebral. É considerada a terceira doença neurodegenerativa mais constatada no Brasil. Surtos, alucinações tanto visuais quanto auditivas e dificuldade em atividades cognitivas são os principais sintomas. Tem sintomas parecidos com o mal de Parkinson e são mais comuns em adultos com idades superiores aos 60 anos. O médico neurologista, psiquiatra ou geriatra pode cuidar de todo o tratamento;
  • Demência Vascular: Essa doença pode se desenvolver em pacientes que já tenham sofrido um acidente vascular cerebral (AVC), ou sofrem com a diabetes e a pressão alta. Os principais sintomas são lapsos de memória, diminuição da atividade cognitiva, dificuldade de locomoção e até quadros de isquemia ao longo da vida. O tratamento é voltado principalmente para os fatores de risco (diabetes, dislipidemia que é acúmulo de gordura no sangue e hipertensão). Para a prevenção, os médicos especialistas recomendam alimentação equilibrada e a prática regular de atividade física ao paciente;

 

Custodio ainda ressalta que todas essas doenças que afetam diretamente o cérebro são progressivas, ou seja, vão piorando os sintomas e ainda não possuem cura. As prevenções são indicadas para melhorar a qualidade de vida do paciente e também como forma de amenizar os sintomas.

 

Foto Destaque: Senhor que está sofrendo com o mal de Alzheimer/ Reprodução: ISTOÉ Dinheiro

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 2 =

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...

Reality

A final de A Fazenda 15 vai acontecer na quinta-feira (21). Quatro integrantes estão na disputa pelo prêmio de um milhão e meio de...