INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Saúde e Bem Estar

Pesquisa aponta que hospitais se mostram contrário ao aborto legal

No Brasil, o aborto é permitido em casos de gravidez decorrente de estupro, desde o ano de 1940.  Nos últimos dias, foi acompanhado caso de menina de 11 anos que após estupro, foi a princípio impedida de realizar o procedimento de aborto. 
Estudo da Universidade Pública do Rio de Janeiro tinha como objetivo mostrar a maneira como os hospitais cadastros pelo Ministério da Saúde, para a realização do aborto, atendem aos casos; a postura dos profissionais foi avaliada como “não acolhedora” pelos responsáveis pelo estudo, e além disso apontaram que o aborto legal é “desencorajado” em muitos hospitais que deveriam acolher as vítimas. 

 

em trecho do estudo realizado pela UniRio, é possível ver ponto que analisa a origem dessa posição, confira: 

“Durante o desenvolvimento da pesquisa foi possível verificar a falta de preparo dos hospitais em fornecer informações sobre aborto legal. As pesquisadoras passaram pelos mais diversos tipos de situação, desde recepcionista pregando que aborto é crime, até mesmo ouvindo xingamentos e tendo as ligações encerradas tão logo a temática era apresentada. O que era para ser um mapa sobre hospitais que realizam ou não aborto legal, se tornou um mapa de desinformação sobre aborto”

O estudo ainda acrescentou que “dificultar o acesso ao serviço de abortamento é uma estratégia política institucionalizada e articulada e segue vitimizando mulheres e meninas que optam pela realização do aborto”.

O projeto foi realizado pelas pesquisadoras Eliane Vieira Lacerda Almeida, Lara Ribeiro Pereira Carneiro, Lorenna Medeiros Toscano de Brito e Maria Inês Lopa Ruivo; a orientadora foi a professora Érica Maia Arruda, do Grupo de Pesquisa de Direitos Humanos e Transformações Sociais da UniRio. 

 

O SUS cobre o direito ao atendimento de acordo com a legislação, confira o que o atendimento em questão inclui: 

– Pílula do dia seguinte;
– Recebimento de tratamento contra;
– DSTs;
– Apoio psicológico;
– Direito ao aborto legal, em caso de gravidez.


Unidade do Sus. Foto/Exame.


Em 2012, O Ministério da Saúde editou uma norma técnica que consiste em “limitar o ingresso para atendimento ao aborto previsto em lei com 20 semanas de idade gestacional”, além disso afirma que não tem indicação para interrupção de gestação após 22 semanas. 
A lei brasileira, não estabelece tempo máximo de gestação para permitir o aborto nas hipóteses em que o procedimento é liberado.
A lei também não determina que a vítima do estupro deve apresentar boletim de ocorrência, laudo do IML ou autorização judicial para garantir a realização do aborto legal. 

A coordenadora de acesso à informação e transparência da Ong Artigo 19, Julia Rocha, qualquer hospital que ofereça serviços de ginecologia deve ter os equipamentos necessários e equipe treinada para realizar abortos em casos previstos pela lei. 

“Esse é um direito humano e as pessoas precisam estar cintes que ele existe”, disse a coordenadora.

 

 

Foto Destaque: Ilustração de mulheres. Reprodução/ES1

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...