INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

Tech

G7 produz código de conduta para empresas de inteligência artificial

G7 produz código de conduta para empresas de inteligência artificial

Nesta segunda-feira (30), o Grupo dos Sete (G7) deve anunciar um inédito acordo sobre o código de conduta para empresas que estão desenvolvendo tecnologias de inteligência artificial (IA) ou que ofereçam serviços utilizando sistemas avançados que dependem de tais tecnologias. Trata-se de uma medida para mitigar os potenciais riscos da IA, especialmente na questão de privacidade e segurança.

Processo de IA de Hiroshima

Com o uso indevido crescente dessas tecnologias – por exemplo para a aplicação de golpes – tal acordo trata de um importante marco nessa questão. Os países que compõem o G7 (Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Reino Unido) ainda incluíram a União Europeia na discussão em maio, em um fórum ministerial apelidado de “Processo de IA de Hiroshima”.

O documento apresenta um total de 11 tópicos distintos, e afirma em seu texto que se “visa promover uma IA segura e confiável em todo o mundo e fornecer orientação para ações de organizações que desenvolvem os sistemas de IA mais avançados, incluindo modelos básicos e sistemas de IA generativas”.


Os usos indevidos da inteligência artificial põem em risco contas bancárias, os direitos autorais, e até a própria identidade.

Os usos indevidos da inteligência artificial põem em risco contas bancárias, os direitos autorais, e até a própria identidade. (Foto:Reprodução/Canal Ciências Criminais)


Conduta requerida

Entre as várias recomendações e urgências, o código de conduta requer das empresas de desenvolvimento da IA o cumprimento com alguns pontos:

  • As empresas devem tomar medidas para detectar, avaliar e mitigar riscos em todo o ciclo de vida (processo de programação, treinamento, e publicação) da inteligência artificial.
  • As empresas devem se posicionar contra os abusos da tecnologia mesmo após os produtos terem chegado ao mercado, sendo sua responsabilidade enfrentar os usos indevidos.
  • As empresas devem publicar relatórios contendo as capacidades, limitações e análises sobre o uso da tecnologia produzida.
  • As empresas devem investir em protocolos de segurança e controles robustos.

Regulação vs. Desregulação

De acordo ainda com o documento produzido pelo G7, o código “destina-se a ajudar a aproveitar os benefícios e a enfrentar os riscos e desafios trazidos por estas tecnologias“.

A União Europeia, que também participou na elaboração das recomendações, tem sido a maior reguladora da tecnologia, com o AI Act, a mais extensiva lei proposta até o momento sobre a IA, enquanto países como os Estados Unidos e o Japão tem tido uma abordagem mais laissez-faire, apostando no crescimento econômico mais do que na segurança ou privacidade.

Este debate entre regulação e desregulação da tecnologia está por trás, em grande parte, da demora na elaboração e aprovação de códigos de conduta na escala global, e explica porque houve a demora na elaboração que se iniciou em maio desse ano e apenas concluiu nesta segunda-feira (30), em outubro.

 

Foto Destaque: Podem ser afetadas as tecnologias de chatbot, como o ChatGPT. (Reprodução/Ília Digital)

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Celebridades

O cantor foi fotografado ao lado da esposa Bianca Censori. Ele estava mascarado e ela nua, sob uma capa de chuva transparente.

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...