INMAG | Todos os direitos reservados.

Hi, what are you looking for?

#Vi no Insta

Maestro João Carlos Martins inova com “País Tropical” transformando em NFT

O mundo dos NFTs tem se tornado bem popular atraindo muitos artistas brasileiros. O maestro João Carlos Martins foi mais um que acaba de aderir a nova tecnologia.

O pianista brasileiro orquestrou “País Tropical”, de Jorge Ben Jor e a transformou em tokens não fungíveis. 

Um projeto desenvolvido em parceria com a Simple, plataforma de entretenimento especializada em comercializar produtos culturais e esportivos em NFT.

Na realização do projeto foi incluído a distribuição de 375 NFTs (Imagem+certificado digital em blockchain) acompanhados de cópias em vinil da versão original e a releitura da música.

Para João Carlos Martins tecnologias como essa ajudam os artistas na “eternização digital”, de seus repertórios. 

Em entrevista a Forbes do Brasil o maestro falou sobre tecnologia, seus projetos atuais e sua reinvenção como artista.

Forbes Brasil – O que fez o senhor se interessar pela nova tecnologia?

João Carlos Martins- A grande obra de meu amigo Jorge Ben Jor, “País Tropical”, foi a primeira música que eu orquestrei. O resultado foi positivo, e a importância ainda que essa música tem na vida dos brasileiros nos motivou a fazer algo inédito com ela, ou seja deixar a obra mais rica ressaltando o que ela representa na vida dos brasileiros, afinal ela marcou uma geração e ficou na história. A Simple inicialmente mandou a ideia e acabei topando, um grande feito para esse velho maestro.


Maestro durante uma orquestra Foto(Reprodução/agênciabrasil).


Forbes Brasil-Quais os benefícios essa tecnologia pode trazer a artistas, no trabalho, na sua carreira, por exemplo, o que melhorou através dela?

João Carlos Martins- No meu caso a tecnologia ajudou a solidificar minha marca, criar algo novo que provavelmente ficará marcado para sempre, é uma propriedade autêntica, para os fãs da minha arte. 

Provavelmente não haverá outra gravação de “País Tropical”, orquestrada por mim e que se limitará à compradores de NFT e a 375 cópias de vinil físico que acompanham duas das edições. O meu objetivo com a tecnologia é criar algo especial e inédito para meus fãs, esse foi o maior benefício que ela me proporcionou.

Forbes Brasil-Qual a importância da inovação para música?

João Carlos- Tudo vai de encontro ao público, pois ele gosta de inovações, novos formatos e isso acontece em todas as áreas do entretenimento.

A tecnologia gira muito rápido e as característica dos fãs mudam com passar do tempo. Nós como artistas temos um desafio pela frente de se adequar aos novos tempos.

Eu comecei com os discos de vinil e participei da primeira gravação digital nos EUA. Tempos depois vieram os CDs, downloads, plataformas de streaming e agora os NFTs.

O diferencial é sempre se adaptar as diferentes ferramentas existentes, produzir conteúdo de qualidade pensando sempre no fã em primeiro lugar.

 

Foto destaque: Maestro divulgando seu trabalho (Foto: Reprodução/Google).

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 13 =

Mais lidas

Empreender na Prática

Não há contradição entre frescor, relaxamento e bem-estar. Na rotina de self-care, os body splashes se tornaram protagonistas quando assunto é refrescar o corpo...

Saúde e Bem Estar

A Massagem Nuru é uma prática terapêutica que tem origem no Japão e se tornou cada vez mais popular em diversos países, incluindo o...

Magazine

Quem conhece Nicole Bahls, sabe que ela é babado, confusão e alegria, por onde passa deixa seu rastro de carisma e felicidade. Nicole é...

Reality

A final de A Fazenda 15 vai acontecer na quinta-feira (21). Quatro integrantes estão na disputa pelo prêmio de um milhão e meio de...